Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

As aventuras de Mestre Lau

Marcelo Perez
Simples e esclarecedor...
1
Marcelo Perez · Boa Vista, RR
8/5/2007 · 233 · 4
 

O primeiro livro da trilogia do jornalista Laucides Oliveira, “Boa Vista 1953 Uma aventura”, já é sucesso de vendas na cidade. O fato é que com apenas um mês após o seu lançamento é preciso rodar a capital para encontrar um exemplar. E não é devido a baixa tiragem - o livro foi impresso em grande quantidade. E nem porque existem poucas livrarias em Boa Vista, precisamente duas mais importantes - o livro também pode ser encontrado em bancas de jornais, supermercados e drogarias. Esta obra se tornou tão popular e difícil de ser encontrada, pois é claro, Mestre Lau além de ser o jornalista mais reconhecido do estado, figura simpática e com entrada em todos os segmentos da sociedade roraimense, conseguiu produzir um livro que retrata com qualidade uma parte da história e da evolução cultural da cidade e do comportamento social daquela época.

Personagem de destaque na comunicação do estado foi o responsável pela implantação, a partir de 1964, do rádio jornalismo a nível profissional. Formou os primeiros profissionais do rádio jornalismo no Território Federal do Rio Branco (Roraima antes de ser estado era Território). Teve destaque também no Telejornalismo. Foi o responsável pela implantação do telejornalismo em Roraima. Na imprensa escrita deixou seu registro na redação de “O Átomo”, jornal principal do estado em 1958. Criou a Folha Esportiva. Foi correspondente da Revista “Veja” e do “Jornal Folha de São Paulo”. Participou da implantação da versão roraimense do jornal “A Crítica” e foi muito feliz na fundação da revista “Diretrizes”, seu veículo próprio.

Com todo esse currículo, experiência adquirida há anos de trabalho, o jornalista Laucides Oliveira decidiu contar a história de sua vida. E o ano de 1953 foi o ponto de partida, quer dizer, mais precisamente de sua chegada em Boa Vista, que ainda era Território Federal do Rio Branco. E com apenas 21 anos de idade... “cheio de ilusões e fantasias, esperança de prosperar na vida, esquecer o desenho, profissão mal valorizada, mal paga, deixar os estudos para aprender a comprar diamantes e fazer fortuna”(pág. 09), como cita em seu livro.

Antes de narrar os acontecimentos após sua chegada em Boa Vista, o autor faz uma breve descrição de como foi a sua infância em Minas Gerais e a sua ida para o Rio de Janeiro. Lembra a trajetória de seu pai nos garimpos do Brasil, seu reconhecimento como um grande diamantário e os tempos difíceis na segunda metade da década de 40, na Cidade Maravilhosa.

Faz um breve e emocionante relato do carnaval do Rio daquela época. Em poucos parágrafos consegue transportar o leitor para as ruas animadas, para as matinês disputadas, os blocos carnavalescos da Avenida Rio Branco e a sua imensa ingenuidade. Mas Boa Vista não fica para trás. Apesar de possuir apenas três clubes, em 1955, a sociedade roraimense se divertia bastante. Durante as noites de Carnaval os clubes disputavam entre si para ver qual conseguiria funcionar até mais tarde. Enquanto houvesse foliões e a banda agüentasse tocar, eles iam até às seis, sete da manhã e até mais tarde. Imaginem só, em 1955...

O autor consegue, também, “pegar” o leitor na sua passagem pela Copa do Mundo de 1950. A derrota do Brasil para o Uruguai por 2 X 1, o título tão esperado e arrancado em pleno gramado de casa. Ele estava lá. “Senti-me morrer, naquele domingo triste, enlutado” (pág. 15). Parece até fala de personagens Rodriguiano.

Mas a convivência em Boa Vista é que marca a sua obra. O relato da cultura local, uma época em que o garimpo movimentava a cidade, as histórias interessantes de personagens que conheceu e que hoje tem seus nomes registrados em placas de ruas, como Áureo Cruz, que como cita o autor em sua obra “um jovem alegre e folgazão, mas prestativo e muito consciente da tradição familiar” (pág. 23); “(...) Modulação aveludada de Dick Farney” (pág. 23), famosíssimo cantor da época, se referindo à sua voz. A descrição excitante de uma Boa Vista antiga, um centro histórico que ele consegue a cada prédio, casarão, a cada residência e loja contar um pouco da história da capital. A formação de suas ruas, a sensação da leitura é de estar ao pé de uma árvore ouvindo o autor dividir com muito amor toda a sua lembrança, toda a sua nostalgia dessa Boa Vista que não acompanhou muito o ritmo do tempo.

E como toda história feliz, um romance não podia faltar. Seu encontro com o maior amor de sua vida: D. Clotilde. O autor reserva sua maior poesia ao final do livro. Ao ver sua esposa repousar em sua poltrona ele pensa, “nada vivera de significativa importância antes de a conhecer; nasci para a verdadeira vida ao sabê-la minha esposa, minha companheira, minha mulher! Importa, a vida que estamos começando agora, a que iremos construir juntos! Minha vida consagrada à sua. (...) pode até ser que nem tudo venha a ser perfeito como eu sonho, mas não importará muito: eu tenho você, e você terá a mim – afirmo-lhe mentalmente -, ter-nos-emos um ao outro para sempre” (pág. 154). E ela estava lá, no dia do lançamento, orgulhosa e feliz, posando para fotos ao lado do marido.

É evidente a importância deste registro para os que se interessam em conhecer mais a fundo a história deste estado, que como todos dizem, é a terra das oportunidades.

Já dá pra imaginar como será a segunda obra desta trilogia, que contará a história do Território Federal, de 1944 a 1990, recheado com depoimentos de personalidades que viveram a construção do estado de Roraima.



compartilhe

comentários feed

+ comentar
Edgar Borges
 

Ei, cara, eu estive nesse lançamento. boa resenha.

Edgar Borges · Boa Vista, RR 8/5/2007 11:15
sua opinião: subir
Marcelo Perez
 

O livro é ótimo! E o Laucides uma figura muito simpática, carismática.

Abração

Marcelo Perez · Boa Vista, RR 8/5/2007 12:29
sua opinião: subir
Rodrigo Torres
 

Rapaz, tá difícil de achar esse livro.

Rodrigo Torres · Boa Vista, RR 11/5/2007 16:45
sua opinião: subir
Marcelo Perez
 

É verdade, Rodrigo. Comprei na Megafarma da Ville Roy, perto da rotatória da Major Willians. Se não achar me dê um toque que posso te emprestar, ok?

Abração

Marcelo Perez · Boa Vista, RR 13/5/2007 19:59
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados