Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Conexão Cuiabá/Acre - parte 1

1
Pablo Capilé · Cuiabá, MT
3/3/2008 · 154 · 3
 

Uma das experiências mais bacanas da cena independente hoje em dia vem do Acre, mais especificamente do Coletivo Catraia e de seu filho pródigo, porém adotado, Festival Varadouro e todas as suas nuances.

O primeiro contato que o Espaço Cubo teve com os meninos dos seringais se deu em 2005 no mês de setembro, onde recebemos com surpresa o e-mail de um tal de Daniel Zen (clique AQUI) e leia o e-mail), explicando detalhadamente tudo o que estava acontecendo na terra de Chico Mendes, e como o cenário alternativo vinha se organizando. Falou do Guerrilha Festival, que organizaram em 2004, e da pretensão em realizar a segunda edição, já com novo nome e repaginado. Além disso, convidava uma banda cuiabana para ser uma das headliners do evento e um integrante do Espaço Cubo, que contaria toda a nossa história por lá, em um seminário que teria a presença de jornalistas e produtores de outros estados, com foco na produção musical do norte do país.

Poucos dias depois, ainda em setembro, o festival foi realizado e os cuiabanos presentes - Ahmad Jarrah pelo Espaço Cubo e o Vanguart - se chocaram com tamanha energia e disposição dos guerrilheiros locais, definitivamente havíamos encontrado uma cena irmã e tudo, e o que acontecera por lá era apenas o começo de uma longa e promissora parceria.

Mais dois meses se passam, novembro chega e com ele vem junto o Goiânia Noise Festival 2005 e seu ciclo de debates, onde fui convidado para contar um pouco sobre a experiência do Cubo Card, Calango e de outras tecnologias de gestão desenvolvidas em Cuiabá. Além disso, seria a primeira oportunidade do Macaco Bong em um grande festival fora de cuiabá, sem falar na eminente fundação da Abrafin - Associaçao Brasileira dos festivais independentes e do Circuito Fora do Eixo, que selaria definitivamente a relação de Cuiabá com várias outras cidades do país.

Para minha surpresa, no dia em que palestrei, dois acreanos estavam na platéia ouvindo tudo atentamente de olho nas minhas falas e no discurso cubista.

Meu tempo era de apenas 30 minutos e acabei falando durante uma hora e meia, já que as perguntas vieram de todos os cantos possíveis da sala, naquela época quase ninguém nos conhecia, tornando tudo muito curioso, intrigante e repleto de dúvidas. O debate acabou, desci e fui para a plenária, já que outra mesa seria formada. Mal me sentei e de cara recebi a primeira abordagem.

- Pô cara, que bacana tudo isso que você falou, tem tudo a ver com o que pensamos e o que queremos organizar lá no acre. Prazer, meu nome é Daniel Zen, da Catraia Records, e este é o João Eduardo, do Los Porongas.

A partir desse momento praticamente não nos desgrudamos durante todo o Festival. Cuiabanos e acreanos passaram três dias dialogando sobre o futuro de nossa parceria e principalmente, sobre estratégias para o fortalecimento do mercado independente nos estados mais distantes do eixo tradicional de produção cultural. Marcamos de nos reunir em algum dos quartos do hotel para a reunião de fundação do Circuito Fora do Eixo e no dia seguinte estávamos lá no 403, com representantes de vários estados do país, debatendo as diretrizes que norteariam nossos próximos passos e nesse momento definimos três eixos principais de atuação: Circulação de bandas e produtores, Distribuição de produtos e produção de conteúdo.A pedra fundamental estava lançada.

Agendamos a reunião seguinte para o Grito Rock 2006, que a época era realizado somente em Cuiabá, e de cara fiz o convite para que duas bandas acreanas participassem do evento, Los Porongas e Camundogs, as duas principais representantes do cenário local e ambas ligadas ao selo acreano Catraia Records, capitaneado pelo Daniel Zen.

Chegaram a Cuiabá um dia antes e foram embora um dia depois, e proporcionaram dois shows históricos em Cuiabá, principalmente os Porongas, que logo em sua primeira vez em Hell City conquistou um sequito fiel de faz que até hoje dia após dia mandam e-mail solicitando shows da banda . Além dos shows muitos debates rolaram, já que era a primeira vez que o Circuito Fora do Eixo se reunia oficialmente com representantes de todo o país.

O Grito acabou e era hora da teoria se tornar prática, fizemos o planejamento e durante todo ano de 2006 fomos passo a passo alcançando cada uma das metas estabelecidas. A diretriz que mais funcionou neste primeiro momento foi a da circulação e intercâmbios começaram a rolar entre todos os coletivos integrados, possibilitando assim uma série de encontros com os acreanos durante o ano todo nos mais variados festivais do Circuito.

Culminando em dois grandes encontros no segundo semestre, o primeiro no Festival Calango, onde Zen e Porongas voltaram a Hell City novamente e o segundo no Varadouro, onde tive o prazer de pela primeira vez pisar em solo acreano, não só eu como boa parte dos cubistas, já que o Macaco Bong fora escalado para se apresentar. A empatia foi tão grande que o Macaco tocou como se estivesse em casa e para muitos foi o melhor show do festival.

Três dias de cinema, com todo o conforto, hospitalidade e sapiência dos rio-branquenses. O Varadouro acabou com um "gostinho de quero mais", saímos dali com a certeza que a relação Acre-Cuiabá estava apenas no começo.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Alê Barreto
 

Conheci o Pablo no XIII Goiânia Noise em 2007 e fizemos uma reunião onde trocamos impressões sobre a organização da cena cultural fora do eixo RJ/SP.

Me chamou a atenção para a sua preocupação em articular várias iniciativas existentes no Brasil.

Parabéns pela construção desta "musicovia Cuiabá/Acre".

Sintam-se à vontade para trocarmos informações sobre a cena aqui do Sul.

Alê Barreto · Rio de Janeiro, RJ 3/3/2008 23:07
sua opinião: subir
Jesuino André
 

parabéns ao Capilé.
vamos integrar esse país!

Jesuino André · João Pessoa, PB 4/3/2008 12:25
sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

pabloooo,
ótimo texto - dá pra ver que foi feito com coração - falando sobre o intercâmbio MT x AC. conheci o varadouro e o cubo aqui no overmundo e desde então venho acompanhando tudo humildemente, constatando cada vez mais que estamos mesmo no mesmo barco. parabéns pelo artigo!

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 4/3/2008 15:47
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados