Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Titio foi à África- Entrevista para "África 21"

Marina Alves para
Divulgação "África 21"
1
Spírito Santo · Rio de Janeiro, RJ
1/3/2012 · 36 · 8
 

Titio foi á África. O sinhô não deixou não mas fui. Não de ir assim de avião (e de navio também não - nem pensar - que disto aí a minha bisavó veio e ao que se sabe odiou a travessia). Fui assim numa onda vaga, lufada de vento, em “espirito“ como se diz, numa entrevista voadora nas asas páginas de uma colorida revista angolana: a “África 21“.

Em muito boa hora porque, a não ser uma fala ou outra no rádio e as notinhas esparsas que o próprio tio, pai da criança pôs na internet, nenhuma linha sequer saiu na imprensa convencional do Brasil sobre o livro motivo da entrevista ('Do Samba ao Funk do Jorjão"). Nem mesmo uma resenhazinha de caderno literário de segunda feira que fosse. Eu mesmo não sei se com todo livro é assim. Parece que com os livros dos pretos é. Acabo de perceber que talvez seja sim. Como saber? Deve ser.

Queima de arquivo? Será?

Viram não? Fizeram até mais uma antologia sobre isto - a mais recente dia destes - esta coisa de um país com tantos pretos quase não ter livros escritos por pretos nas livrarias e nas bibliotecas. É sim.

Sem contar os dois ou três consagrados de sempre, uns velhos autores clássicos há muito tempo falecidos, quantos livros de gente preta você tem visto por aí em resenhas ou matérias no Brasil? Quem disse algo perto do zero ganhou o doce. E é de chocolate.

Será que é porque pretos pouco escrevem? (E pouco escrevem porque pouco leem?) Ou será que é porque os pretos escrevem mal, não dominam as normas 'cultas'? Mas quem avalia isto, discrimina aquilo, vaticina o que será publicado, culturalmente normatizado? Como o saber se os livros de pretos valem como literatura sem lê-los, sem publicá-los, sem resenhá-los, sem nem permitir que as pessoas todas tenham acesso a eles, uma chance ao menos de esmiuçá-los enfim?

Porque será que de livros de pretos o mercado, a imprensa e a crítica literária não querem nem saber? Digo isto porque não sei escrever literatura escrava, aquela que o sinhô quer ler, literatura de 'preto sofrendo', se lamuriando do cativeiro existencial em que os pretos do Brasil ainda estão. Literatura “negra“ tampouco me apetece o conceito. Negra - pergunto - porque? Literatura de gueto, isolada do contexto? Para quê? Se não se fala literatura “branca”, porque haveríamos nós esta parte de nossa literatura empretecer? Literatura afro brasileira? Talvez.

O fato é que é muito difícil classificar esta coisa de gente transplantada à força para uma terra estranha, de um lugar distante que veio grudado nela como os pelos e os cabelos.

Muito difícil, reconheço classificar a escrita de gente assim, transfigurada pela dor de ter deixado um pé, uma ponta da alma do lado de lá do Atlântico e ter fincado o outro pé cá.

Deve ser disto que o sinhô não gosta, esta indefinição espacial, geográfica, o que não dá para o sinhô prender com as mãos, esta literatura de palavras e temas sem travas ou beiradas, sem fronteiras, que é deste mundo sim, mas é sem cercas de arame (embora cheia arestas, farpada) sem porteiras que impeçam o cativo de manter a alma escrava como o corpo quer, mas que mesmo plantado à terra não consegue de jeito nenhum impedir que a cabeça voe, voe alto e mais alto ainda, para um destino de uma infinitude insubmissa porque imortal.



E o que a literatura é senão cabeças voando livres por aí?
É, mas como assim? Mistério de nossa literatura, qual será o limbo para onde os livros dos pretos são lançados ou vão?

Seria um kalungangombe enevoado do pó branco de mpemba, um mar das tormentas encapelado de pesadelos irreprimíveis que nem estes, apesar de tão nossos, tão íntimos, eles nos deixam escrever e contar? Seria este limbo o mesmo oceano fundo de onde viemos escravos?

E se escravos e iletrados já não somos, qual será a antibiblioteca onde todos estes livros de pretos estão sendo enfurnados, desencadernados, desfolhados, desletrados? Parece mesmo que são afogados, encharcados de salmoura para em algum mar das Bermudas sumidos, nunca chegarem nem aqui onde estamos nem lá de onde vieram as histórias todas, justo aquelas que o sinhô não quer nem mesmo ouvir falar e tampouco deixar que a gente as conte por aí.

Muito surpreendente, portanto a feliz notícia de que a primeira matéria densa que sai sobre o modesto alfarrábio do tio “Do samba ao funk do Jorjão“ seja, exatamente esta entrevista numa revista africana.

Fui num desnaufragado negreiro, sem algemas, cheio de palavras pretas livres das amarradas normas incultas desta mau aportada nau da literatura do Brasil que quer ser – azar o dela - branca e sem alma, ilegível para a maioria até morrer.

No embalo ondulante do lançamento do livro e das candentes pesquisas relâmpagos postadas no blog, algumas janelas, contudo vão se abrindo ao tio (e as janelas africanas são, confesso as que mais enchem a alma do Tio de ar e sol). É que as coisas todas que falo e escrevo por aí, afinal se referem - como todo mundo que as lê já deve saber - ao resgate das memórias trazidas embarcadas de lá para cá.

Mar em marés turvas de fluxos incessantes de gentes que para cá vieram e morreram, e pra lá só voltariam mesmo assim, nas bagagens de memórias fortuitas, memórias renavegantes, retornadas como almas tripulantes em folhas de papel escritas, em bits inscritos, em lágrimas descritas em pingos, uma a uma pelo caminho formando a vaga onda de um renovado mar que finalmente deságua lá, agora para ficar.

O amaldiçoado sinhô não deixou, não viu, não leu e não gostou, mas as vozes dos antepassados falam sempre mais alto e firmes que as nossas lamúrias e não existe sinhô algum neste mundo que as possa calar. Sangue de Zambiampungo é tinta forte, sua escrita vale ouro e tem poder!

Spírito Santo, especialista de música afro-brasileira As origens do samba

Entrevista exclusiva para João Belisário
, Rio de Janeiro para 'África21', Angola – março 2012



Educador, pesquisador, escritor, artista especializado na música afro-brasileira e artesanato musical (organologia), professor visitante da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde desde 1995 coordena o projeto de extensão Universitária Musikfabrik, o brasileiro Spirito Santo (Antonio José do Espírito Santo), 64 anos, é ainda uma pessoa que não aceita as verdades estabelecidas sem questioná-las, doa a quem doer África21. O título do seu livro, Do Samba ao Funk do Jorjão, evidencia uma relação entre o samba e o funk. Que relação é essa? Spírito Santo: Há uma forte relação sim, mas ela é mais sutil do que parece. É que ambos, samba e funk, são gêneros musicais diaspóricos e irmãos. São uma espécie de síntese urbana da música tradicional que veio da África para as Américas, os work songs, o blues e o rag time dos EUA e coisas como o maxixe dos Oito batutas e Pixinguinha por aqui, os cantos de trabalho das plantations de lá e daqui, saídos de gêneros rurais como jongos, congadas, vissungos, etc. A relação é bem estreita. Uma história que não se explica sem a outra. Isto aparece nítido na evolução do samba carioca. África21. No livro ("Do samba ao Funk do Jorjão", 2011) você questiona algumas verdades estabelecidas a partir da própria origem do samba… Spírito Santo: O samba, tal qual o conhecemos, muito provavelmente nasceu do jongo tradicional (manifestação sociocultural dos escravos da área Congo-Angola trazidos para as plantations de café no Rio de Janeiro). Pelas conclusões da minha pesquisa o ritmo seminal do samba teria tido como origem remota entre outros ritmos da área da Angola atual, o kaduke, que é uma dança que era moda em Mbaka (Ambaça) ao tempo de Capello e Ivens (meados do século XIX). Os escravos trazidos para cá nos anos finais da escravidão trouxeram em sua memória esta dança, genericamente conhecida aqui como batuque (e a música a ela correspondente). Esta minha teoria, em parte, é baseada na opinião de especialistas angolanos como Mário Rui Silva e Liceu Vieira Dias, do ‘Ngola Ritmos’, por exemplo. Mas há outras explicações para esta origem… A confusão que criaram aqui, já no âmbito de nossa música urbana, nasceu do fato de a palavra samba, num fenômeno típico da cultura popular urbana ou de massa que nascia ali mesmo naquela época, estar virando uma marca muito forte para o nascente mercado fonográfico e radiofônico brasileiro como sinônimo de ‘música popular de negros’, numa época em que o mainstream, o conceito de ‘música para se vender’ também estabelecia as suas estratégias mercadológicas iniciais. O fato é que o ritmo que acabou vingando e que ganhou a disputa para ser batizado por fim pelo mercado para sempre como samba, acabou sendo não o maxixe-novo, praticado na Praça Onze da Tia Ciata por músicos populares de elite como Pixinguinha, Donga, etc., mas sim uma fusão de ritmos ‘congo-angolanos’ trazidos para a Corte após a abolição da escravatura pelos negros oriundos do êxodo que se deu das fazendas de café nos anos finais da escravidão brasileira. Eu acredito que é na área do Cais do Porto, onde estes egressos ex-escravos das fazendas de café passaram a trabalhar como carregadores, portanto, que o «verdadeiro» ritmo do samba, tal qual o conhecemos, é fermentado e se cristaliza. África21.Acredita que se pode determinar o local exato, o espaço físico, o berço do samba? Spírito Santo: Acho que não. O que aconteceu foi que a Praça Onze, área boêmia e residencial da classe média negra do Rio a partir do início do século XIX, acabou sendo eleita pela intelligentsia carioca (cronistas, jornalistas, etc.) como sendo lugar de gente negra ‘superior’, espécie de colônia de pretos remediados vindos principalmente da Bahia. A historiografia do samba por este meu raciocínio teria perdido o foco da questão, concentrada que estava em oficializar uma história do samba restrita apenas a esta limitada área baiana, subestimando todo o resto (a maioria bantu), resto este que, ironicamente seria exatamente a matriz, a raiz de onde o samba ‘de fato’, realmente teria nascido. África21.O ritmo seminal do samba teria tido como origem remota ritmos da área da Angola atual. Porque isso teria acontecido? Spírito Santo: As razões desta marca etnológica do samba para mim são, em primeiro lugar, a lógica geocomercial do tráfico transatlântico que priorizou o sequestro para o Brasil de gente da área do antigo Reino do Kongo (e não gente yoruba-nagô, da área da Nigéria atual, como a maioria – contra todas as evidências históricas – ainda acredita) e, em segundo lugar as especificidades assumidas pela estratificação social no Brasil – no Rio de Janeiro e em Salvador em especial – que se caracterizaram pelo isolamento de negros descendentes daqueles escravos em guetos, subúrbios e favelas ou em periferias apartadas das áreas de classe média para cima (brancas), possibilitando a estas comunidades isoladas a manutenção de hábitos ancestrais e a criação de uma cultura específica, com fortes marcas de sua origem africana. Ou seja, ironicamente, se não houvesse racismo no Brasil talvez não existisse samba. Assim o livro tenta contar com o máximo de evidências possível todos os detalhes desta evolução do gênero samba – que é bem mais complexa do que narrei aqui – inserindo a sua história em seu contexto histórico social. África21.E o que representa então o samba do Jorjão nessa evolução? Spírito Santo: Aí que está. O Jorjão foi um mestre de bateria que, com muita ousadia, misturou o samba e o funk numa performance de bateria de samba, no desfile de 1997, dirigindo a escola de Samba Unidos do Viradouro. O Jorjão intuiu esta linha de tempo e esta relação ‘afro-diaspórica’. Foi execrado pelos fundamentalistas. Eu, que estava no júri e dei nota máxima a ele, fui castigado e defenestrado do júri da Liga das Escolas de Samba-Liesa. Usei então a performance emblemática do Jorjão como conceito para todo o livro. África21.Afinal, existe alguma diferença entre samba e Escola de Samba? Spírito Santo: As escolas de Samba e o samba são duas coisas bastante distintas. Poucos se dão conta disto, mas as escolas de Samba antes eram Ranchos Carnavalescos, uma coisa que vem remotamente dos ‘Pastoris’ baianos que, por sua vez, são originários das ‘Lapinhas’ de origem lusitana, muito populares em Salvador, Bahia, no início do século XX e em boa parte do Nordeste brasileiro. A forma geral dos desfiles das escolas é até hoje isto aí: Pastoris modernizados. Ocorre que a ‘trilha sonora’ destes desfiles, que era antes valsas ou marchinhas com sotaque europeu, a partir da década de 30 foi trocada pelo ritmo do samba que ficou sendo a partir daí hegemônico, a música oficial dos desfiles. Ou seja, a rigor, o samba é apenas a parte musical dos desfiles (e coreográfica também, claro). O curioso é que quem trouxe tudo isto para o carnaval do Rio – inclusive as influências lusitanas – foram os negros baianos, os mesmos que criaram o Candomblé. O samba é para mim, portanto geneticamente congo-angolano, com um ou outro ingrediente de ritmos yoruba-nagô, saído do candomblé, somado a diversas e dispersas influências outras da música negra geral da diáspora, com acentuadas marcas da música negra norte-americana, inclusive. África21.O livro questiona, em algum outro aspecto, a versão oficial sobre as origens da cultura africana no Brasil? Spírito Santo: O que o livro questiona com mais veemência é que estas evidentes origens africanas de grande parte da cultura do Brasil não são majoritariamente nigerianas (nagô) como se alega aqui de forma mais ou menos recorrente, mas, ao contrário muito mais bantu ou angolanas. Há também no samba influências evidentes da cultura negra norte-americana – a tese do caráter diaspórico do samba que ressaltei – também muito combatida pelo pensamento oficial que nega, veementemente, esta influência por causa de um nacionalismo xenófobo bem questionável. Questiono enfim esta ‘supremacia nagô’ de forma radical. Este é, aliás, o cerne do debate que o livro propõe. Tento colocar em debate a proposta de que a história do negro no Brasil e todo o resto neste campo precisa ser total e urgentemente revisto. É uma distorção etnológica antiga e muito grave, pois contaminou tudo no campo de nossas ciências sociais com seu viés sutilmente racista. O processo de como esta distorção foi sendo construída ao longo do tempo, por vários agentes, aparece bem nítido no livro. Ironicamente, se não houvesse racismo no Brasil talvez não existisse samba. Tento colocar em debate a proposta de que a história do negro no Brasil e todo o resto neste campo precisa ser total e urgentemente revisto África21.Onde então mais se evidencia a contribuição yoruba-nagô na música brasileira em geral? Spírito Santo: Na música do candomblé, que no Brasil é muito bela, mas está restrita, quase que inteiramente ao âmbito litúrgico, do ritual religioso. É preciso frisar que a música popular urbana de Salvador, Bahia, e do seu Recôncavo (com exceção dos afoxés mais tradicionais) é, por sua vez, predominantemente bantu, com ênfase no Samba de Roda e na Capoeira. --------------- O TRABALHO DE UMA VIDA Ex-preso político, esteve encarcerado mais de dois anos nas masmorras da ditadura militar; filho de pai descendente direto de angolanos que no século XIX foram trazidos para Minas Gerais; com mais de 40 anos dedicado à música, Spirito Santo resolveu colocar no mercado o fruto de suas pesquisas lançando o seu primeiro livro Do Samba ao Funk do Jorjão, um ensaio etnomusicológico que traz muitas reflexões inéditas acerca das origens e dos significados do samba, o ritmo que define em grande parte a alma do povo brasileiro. Spirito Santo é na verdade um pesquisador que esteve sempre à frente na luta pelo resgate da história e dos valores culturais da população de origem africana no Brasil. Passados mais de trinta anos desde que criou o grupo musical Vissungo, e com ele realizou uma ampla pesquisa sobre música tradicional africana na região do sudeste e nordeste do Brasil, persiste no projeto que marcou toda a sua vida. Apesar de ter em vista a publicação de outros ensaios, ocupa-se agora da retomada da pesquisa de campo sobre cantos de trabalho de mineiros escravos, vindos de Angola no século XIX para Minas Gerais, com o objetivo de realizar um documentário que terá que ser filmado no Brasil e em Angola.
-------------------

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Spírito Santo
 

Continua difícil este editor de texto, heim?

Spírito Santo · Rio de Janeiro, RJ 1/3/2012 22:37
sua opinião: subir
Dhiogo
 

Parabéns! Sucesso e mais sucesso na sua andança literária. Vamos juntos provar para o mundo que a literatura tem o poder de transformar uma nação e por que não o mundo.
Abraço na alma...
Dhiogo Caetano

Dhiogo · Uruana, GO 4/3/2012 10:28
sua opinião: subir
Abílio Neto
 

Maravilha, Spírito santo, vou divulgar para todos meus amigos músicos, compositores e estudiosos da música em geral da rede social Facebook. Parabéns! Grande abraço.

Dei meu voto!

Abílio Neto · Abreu e Lima, PE 4/3/2012 10:36
sua opinião: subir
Associação Histórico Cultural Mucury
 

Muito bom! Spírito Santo vamos republica-lo amanhã em nosso blog, o www.mucurycultural.org.
Parabéns pela luta, pelo livro e pelo texto. Aqui em nossa "babel de raças e línguas", aceitamos tudo quanto há, então sempre que quiser nos honrar, nos mande algo.
Grande abraço.

Associação Histórico Cultural Mucury · Teófilo Otoni, MG 4/3/2012 20:02
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Sempre bom ver o amigo em processo criativo, que é QUASE TODA DE TODOS OS DIAS. E reconhecido, agora além fronteiras, exatamente pelo tema a que com afinco se dedica diuturnamente. Avante, guri! ESPERO QUE AS LETRAS TENHAM FICADO TODAS NO LUGAR PORQUE O TAMANHO EM QUE APARECEM DIANTE DOS OLHOS MEUS, AMIGO, SÓ COM MICROSCÓPIO. PROBLEMA MEU, SEI. É UMA SELEÇÃO NATURAL. QUEM NÃO ENXERGA, LARGA FORA DAQUI. SUCESSO, MAIS! SAÚDE MUITA.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 5/3/2012 14:48
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

aí está um belo e formoso texto sobre a vida bem vivida com competência e afinco pela literatura, música das raízes do Brasil, a africana.Importante texto educativo, a todos e ao site Overmundo. Parabéns e já sucesso garantido.

Cintia Thome · São Paulo, SP 12/3/2012 23:12
sua opinião: subir
Sinvaline
 

Spirito pessoas como voce fazem acontecer e assim atravessam o tempo, parabens! Vou enviar o link para Kazadi.

Sinvaline · Uruaçu, GO 13/3/2012 19:33
sua opinião: subir
victorvapf
 

Grande Spírito! Bom revê-lo...

victorvapf · Belo Horizonte, MG 17/3/2012 18:58
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados