Cosme e Damião e seu Caruru em tempos de consumo

31
Evandro CalistoFilho · Salvador, BA
27/9/2014 · 31 · 7
 

Antigamente, quer dizer, outro dia antes de carrinhos e balanças, nosso paladar era paciente e sazonal, a gastronomia andava em vagões definidos pela natureza e cultura. Não existia coisa melhor que esperar junho para o amendoim, bolo de milho e aipim, cheiro de fogueira com canjica.
Setembro se perguntava, à boca miúda, quantos centos de quiabo a pessoa tinha comprado, caruru bom é de 1000 quiabos para cima, ir ao festejo com três centos de quiabo era certeza de não poder repetir o prato.
“Caruru de promessa” uma ética sobrevoava as ruas, protestantes e alguns católicos catalogavam os eventos e os produtores do “caruru de promessa” avisavam logo: é caruru de promessa viu minha filha! Mão na cintura as negras sábias do candomblé e adeptos balançavam a bunda ao anunciar com orgulho a oferenda pra “cosminho”, olhavam de soslaio os ingênuos que imaginavam ser proibida a degustação do prato por conta de sua ligação religiosa.
Lá em casa íamos a todos, eu só não participava da “balburdia” ritual nos carurus de Cosminho. Chamavam-se sete meninos, homens, meninos “catados” na rua, normalmente os pequenos pivetes que perturbam as janelas e telhados o ano inteiro com suas bolas e pedras, sete escolhidos ao redor de uma bacia de barro e depois veio o alumínio, fartamente provida dos quitutes do caruru: caruru, vatapá, arroz branco, milho branco(mugunzá), pedaços de cana-de-açúcar, rapadura, feijão fradinho, feijão preto, acarajé, abará, farofa de dendê, galinha, ovo cozido, banana da terra frita, inhame. Um espetáculo de calorias, visto com os olhos de hoje. Meninos a postos, dava-se o sinal, com a mão invadiam o vasilhame, evidentemente existiam itens mais procurados, acarajé e abará em primeiro lugar, vatapá se não tiver molinho, guarda a cana e rapadura no ladinho, prova rápido o caruru, depois de três minutos era Deus que o valha, a meleira jogada em todas as caras, virava brincadeira de criança a meleira, chegou Cosminho e a alegria, para criança não existe asneira , qualquer coisa é brincadeira. Eu menino “educadinho” de alpargatas e camisa branca tinha nojo total, não raro voltava pra casa com fome, “caruru de promessa” era proibido comer de garfo mesmo no prato, eu não conseguia observar aquele espetáculo, dava as costas para o primeiro ato, logo após os adultos misturavam aquelas cores com as mãos e derramavam pela boca em baba de quiabo. Minha mãe com grande maneabilidade, me colocava num canto e arranjava um garfo escondido.(Deu saudade agora de minha mãe, rsrs morreu mainha já, chorei agora).
Hoje todas as sextas-feiras os cartazes imbecis cravados à frente de todo cubículo fétido que se intitule restaurante mostram o cardápio do dia: “Comida Baiana”, toda sexta-feira imitam e fazem a comida de Cosminho em tigelas inox, separadas e escolhidas cirurgicamente por não menos imbecis mãos com suas colheres metálicas vulgares fabricadas na China de rebarbas que cortam os lábios. No final da linha uma balança avalia a obra de arte no prato branco que se repete em todo lugar.
Setembro se diluiu nas balanças de comida à quilo, amendoins, bolos e milho cozido andam prostitutos em carrinhos de ambulantes. Minha língua não espera e nem tem saudades, e nos restaurantes a história se perdeu, não existe saber como vai se comer, mão ou colher, a preocupação é não perder a “comanda” com o preço impresso de quanto vai se pagar no caruru capenga sem rapadura e sem cana, sem doce e sem graça.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
wwwmarcio
 

Conheço bem a experiência de "filhinho da mãinha", com a camisa imaculada. A minha está "perdida no espaço", derrotada pelo mal de Alzheimer.

wwwmarcio · Prado, BA 25/11/2014 17:38
sua opinião: subir
Abílio Neto
 

Gostei imensamente, Evandro. Você só podia ser da Boa Terra!

Abraços do pernambucano.

Abílio Neto · Abreu e Lima, PE 28/11/2014 21:49
sua opinião: subir
Borges de Garuva
 

Gostei bastante do texto. Aprendi a plantar com minha mãe. Agora, estou de mudança: do apartamento em que moro há dois anos para uma casa arejadíssima com um enorme quintal. Já comecei a plantar por lá hortaliças de várias espécies. Vou voltar a comer de acordo com as estações :)

Borges de Garuva · Joinville, SC 29/11/2014 08:42
sua opinião: subir
Evandro CalistoFilho
 

obrigado amigos, muito obrigado

Evandro CalistoFilho · Salvador, BA 29/11/2014 18:26
sua opinião: subir
nandarica
 

!

nandarica · , MG 8/4/2015 17:01
sua opinião: subir
Alberto Pereira
 

O bom e velho caruru baiano!

Alberto Pereira · São Paulo, SP 11/6/2015 11:36
sua opinião: subir
Paulo Sebin
 

Que texto mais sensacional. Adorei e vou compartilhar nas minhas redes sociais.

Paulo Sebin · Londrina, PR 27/7/2015 16:01
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados